2019 julho 15
WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
feito bahia pousada cravo canela

julho 2019
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

:: 15/jul/2019 . 17:30

Maraú: Tá na Cara que Melhorou! Reforma da Escola e Calçamento do povoado do Quitungo

 

Se esqueceu? A prefeitura de Maraú relembra para você, o quanto o município avançou nos últimos 7 anos!

Os moradores da localidade do Quintungo, que fica próximo ao povoado de Tremembé, receberam no Governo da Prefeita Gracinha Viana um olhar de carinho bastante especial. Por lá, a prefeitura transformou para melhor, a vida dos moradores que sofriam do abandono dos desgovernos anteriores. 

Foi então que a prefeita Gracinha, em parceria com o Governo do Estado, via Conder e apoio do Deputado Federal Ronaldo Carletto, conseguiram o tão sonhado calçamento para as ruas do Quitungo. Uma ação que foi bastante comemorada pela comunidade 

“Aqui era um lamaçal enorme, uma dificuldade pra chegar lá na pista, os moradores daqui sofria muito, principalmente no tempo de chuva e hoje tá um céu, graças a prefeita Gracinha. Obrigado, prefeita!”, disse o morador.

Educação também é prioridade da gestão Gracinha Viana. E lá no Quitungo a prefeita realizou uma mega reforma na escola Barão do Rio Branco. A escola estava abandonada e foi completamente reformada pela prefeitura, através da Secretaria de Educação.

É a prefeitura de Maraú trabalhando e a vida do povo melhorando!

ASCOM – Prefeitura de Maraú

#ObraPraCegoVer #PrefeituradeMaraú #Maraú #Quitungo #Educação #Trabalho #Transparencia #

Porto Seguro: MPF pede demolição de barraca de praia localizada em área de preservação

O Ministério Público Federal (MPF) pediu a demolição de uma barraca de praia localizada em área de preservação permanente em Arraial D’Ajuda, distrito de Porto Seguro, no sul baiano. O órgão ajuizou uma ação civil para que o empresário Eglius Felipe Bastos remova a Cabana Kebra Mar da Praia de Mucugê.

A ação requer, ainda, a responsabilização da União e do Município de Porto Seguro “pela omissão no dever de proteger o meio ambiente”, especialmente áreas não edificáveis, terras de marinha, faixa de praia e restinga.

De acordo com o documento, assinado em 17 de junho pelo procurador da República Edson Abdon Peixoto Filho, a área ocupada pelo empreendimento é considerada terreno de marinha e, portanto, bem da União, além de ser tombada como patrimônio cultural, por fazer parte do município de Porto Seguro. 

Segundo o MPF, a construção não possui autorização da Superintendência de Patrimônio da União (SPU) nem do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O órgão destaca, ainda, que a Cabana Kebra Mar nem sequer poderia ter sido autorizada, pois a União não pode permitir a ocupação particular de áreas de preservação permanente, de uso comum do povo, de segurança nacional, de preservação ambiental e das necessárias à proteção dos ecossistemas naturais.

De acordo com o procurador, houve omissão da União e do Município e Porto Seguro “no dever de fiscalizar o local para impedir a construção do empreendimento e evitar os prejuízos causados”.

Para que não sejam empreendidas novas construções no local, gerando mais danos ambientais e visuais, o MPF requer não só a imediata demolição da estrutura como a retirada dos equipamentos existentes (incluindo espreguiçadeiras, cadeiras, mesas etc) e a recuperação da área degradada.

Indenizações e pedidos

O órgão quer que o empresário pague à União indenização não inferior a R$ 50 mil reais pela degradação ao meio ambiente. Requer, ainda, a condenação do Município de Porto Seguro e da União ao pagamento de indenização, em valor a ser definido pela Justiça.

O MPF pede que os acionados recuperem a área danificada, a partir da elaboração de um Plano de Recuperação de Área Degradada, que deve ser aprovado pelos órgãos competentes; e que a Prefeitura e a União fiscalizem e acompanhem o processo de demolição e retirada dos entulhos da Cabana Kebra Mar. (Portal Pratigi)

 

Padre Marcelo Rossi é empurrado de palco em missa em São Paulo

O padre Marcelo Rossi foi empurrado por uma mulher de 40 anos de um palco enquanto celebrava uma missa na tarde de hoje em Cachoeira Paulista (SP), cidade a duas horas e meia da capital.

De acordo com a Canção Nova, realizadora do evento, o incidente aconteceu por volta das 15h30, durante a homilia. “Ele foi empurrado por uma mulher com problemas mentais”, informou a assessoria de imprensa da Canção Nova. A fiel viajou até o interior paulista em uma caravana do Rio de Janeiro.

Padre Marcelo caiu de uma altura aproximada de um metro e ficou no chão próximo à grade de isolamento que separava o palco do público, estimado em 50 mil pessoas. “Ele foi socorrido pela nossa equipe médica, composta por médicos, paramédicos e ambulância”, diz a assessoria.

ASSISTA O MOMENTO QUE O PADRE É EMPURRADO:

Os médicos constataram que não havia nenhuma “quebradura”. Apesar de algumas dores, o padre decidiu voltar ao palco e completar a missa. “Ele não ficou sentado. Continuou celebrando em pé, como faz normalmente”, informou a organização do evento.

O sacerdote aproveitou para tranquilizar os fiéis em um vídeo compartilhado em suas redes sociais. Ele disse que sua saúde está bem, ficou “só com uma dorzinha”. Glória a Deus, Maria passou na frente, pisou na cabeça da serpente, estou ótimo! Fiquem tranquilos. Só umas dorzinhas, isso aí é normal, não quebrou nada. Amém! Padre Marcelo Rossi.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia