Bahia - BARRA GRANDE 24 HORAS
WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
pousada cravo canela apaixona camamu

novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

:: ‘Bahia’

A pedido da Prefeita, Eduardo Salles solicita análise da água do mar na Península de Maraú

O Deputado Eduardo Salles solicitou a pedido da prefeita Gracinha, que o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), faça os estudos necessários para comprovar que as praias da Península de Maraú, estão limpas e aptas para banho. De acordo com Salles o pedido foi feito em audiência com a presidente do INEMA, Márcia Telles, para com o estudo, a população fique ciente das condições das das praias e, caso não existam problemas, tranquilizar os moradores e não prejudicar o turismo, fundamental à economia baiana.

As ações do Inema têm se concentrado em solicitar materiais adequados, averiguar áreas afetadas e colher material para análise. 

“Estamos até fazendo coleta disso até para desmistificar. O mar se renova diariamente. A maré que entra não é a mesma que sai. Muitos alardes não têm respaldo científico”, comenta Eduardo Topázio, diretor de Águas do Inema.

 

Presidente da Câmara de Maraú, Manassés parabeniza voluntários e Oceanpact nas ações de limpeza das praias 

O presidente da Câmara Municipal, Vereador Manassés, durante a sessão ordinária da última semana, falou sobre a chegada do óleo nas praias de Maraú, mas destacando o importante papel da comunidade na luta pela preservação. Na sessão, o presidente da casa criticou a omissão do Governo Federal no caso do vazamento e da falta de apoio ao município que sozinho, não tem condições de fazer a limpeza das praias.

Para Manassés, os voluntários formados por empresários, moradores, membros de associações deveriam ser homenageados pelo empenho na limpeza das praias. Além de parabenizar as ações da comunidade, Manassés rasgou elogios a empresa Oceanpact, que de maneira voluntária vem treinando e prestando todo atendimento aos moradores da Península de Maraú nas ações de combate ao óleo nas praias.

Manassés também agradeceu o apoio da Prefeitura Municipal, por meio das Secretarias de Meio Ambiente e Infraestrutura engajadas juntamente com a população no processo de limpeza das praias. 

Maraú: Vereador Gustavo pede apoio dos demais vereadores no combate ao óleo nas praias da Península

O vereador Gustavo Magalhães, que é morador do distrito de Barra Grande, falou sobre o aparecimento de óleo nas praias da Península de Maraú. Em sua fala na sessão ordinária da Câmara Municipal, Gustavo parabenizou o envolvimento de toda comunidade que em parceria com a prefeitura vem realizando as ações de limpeza das praias. 

O edil aproveitou a oportunidade para pedir dos colegas vereadores apoio na luta que é de todos. Gustavo solicitou um maior engajamento do legislativo municipal nas ações de limpeza das praias, seja como voluntários ou com a compra de equipamentos de proteção individual. 

Barra Grande e Saleiro se enfrentam na semifinal do campeonato feminino de futebol de Cajaíba

Time do Saleiro

Os times feminino de Barra Grande e do Saleiro, vão se enfrentar na semifinal do campeonato de futebol do distrito de Cajaíba, em Camamu. O confronto acontece no domingo (10), às 10h30 da manhã. As duas equipes mostram a força do futebol femino de Maraú nas competições regionais. 

Mesmo sem uma liga oficialmente formada em Maraú, as meninas do futebol feminino do município têm se destacado em campeonatos de futebol amador e seguem na luta por incentivos à categoria no esporte. 

Time de Barra Grande

O time Meninas da Villa F.C é formado pelas jogadoras: Adrielle, Mirian, Maiara, Cintia, Edneia, Milly, Vania, Yoni, Sonia, Renata, Andressa, Jane, Luiza, Sara, Daniele e Queila. 

Já o time do Saleiro é composto pelas jogadoras: Crislane, Franciele, Gildeanne, Gilvanne, Gilvana, Jennifer, Jéssica, Ludmila, Raylana, Romerita, Nadmile, Taline, Raíssa, Marlene, Juliana, Silmille e Viviane. 

 

Governo propõe extinção de municípios pequenos sem capacidades de se manterem

Do Ipolítica

O governo federal quer reduzir o número de municípios pequenos sem autonomia financeira existentes no país. Uma das medidas previstas na chamada PEC do pacto federativo, entregue no Senado, o Ministério da Economia apresenta uma regra que prevê a fusão de municípios nessa condição.

Segundo a Folha de São Paulo, a proposta entregue nesta terça-feira (5) pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) aos parlamentares, diz que os municípios com menos de 5.000 habitantes e arrecadação própria menor que 10% da receita total será incorporado pelo município vizinho. O governo não informou, até o momento, quantos entes seriam atingidos pela nova regra.

O Brasil tem 1.253 municípios com menos de 5.000 habitantes, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Isso equivale a 22,5% do total de 5.570 municípios brasileiros (incluindo o Distrito Federal).  Estudo da Federação da Indústrias do Rio de Janeiro – Firjan, divulgado na semana passada, aponta que 35% dos municípios, receita não paga as contas da prefeitura e de vereadores.

 

 

Secretaria de Saúde de Maraú promoveu ações em alusão ao outubro rosa

Durante o mês de outubro, a Secretaria Municipal de Saúde esteve engajada na campanha de alerta e de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo do útero. A campanha, que é conhecida mundialmente como Outubro Rosa, foi trabalhada nos Postos de Saúde da Família (PSFs) com palestras, rodas de conversas e capacitações técnicas com as equipes. Em Maraú, por exemplo, o tema foi trabalhado com a comunidade com uma roda de conversa na praça do kiosque.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Governo da Bahia corta verbas das universidades estaduais

Do Correio 24h

As quatro universidades estaduais da Bahia estão com uma média de 30% das verbas de manutenção contingenciadas pelo governo do estado, conforme denunciam as associações de docentes das instituições. Os recursos represados são destinados ao custeio de  água, energia, compra de materiais básicos, reformas prediais, bolsas de pesquisa, entre outros. A Secretaria de Educação do Estado (SEC), no entanto, nega o contingenciamento.

No caso da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), dos R$ 64,8 milhões que a entidade deveria receber, só R$ 45,7 milhões caíram na conta até este mês, o décimo do ano. Ou seja, há dois meses do fim do ano, faltam chegar quase 30% dos recursos. A Associação de Docentes da Uefs (Adufs) informa que as despesas que mais sofrem são as de manutenção predial, na qual a demanda seria de R$ 1,5 milhão.

Ainda conforme a entidade, viagens de campo de professores e estudantes em bairros da cidade estão suspensas porque não há verbas para combustível. De acordo com o presidente da Adufs, André Uzêda, a aquisição de papel higiênico e a manutenção da jardinagem também estão prejudicadas. 

“O Governo divulga o valor total, que inclui pagamento de pessoal, e diz que teve aumento, então parece mesmo ser maior, mas temos essas deficiências no orçamento para as demandas diárias. A gente passa o ano todo apertado”, revela Uzêda.

Resposta do governo
Em nota, o Governo do Estado disse que investiu mais de R$ 1,3 bilhão nas quatro universidades estaduais em 2018 e que este número é 137% maior que o aplicado em 2007, no primeiro ano da gestão de Jaques Wagner. No comunicado, o secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues, afirmou que em 2019 a administração continuará com a tendência de crescimento anual do orçamento.

A nota cita ainda o cenário de crise nacional e os “esforços do governo para honrar os compromissos”. O secretário acrescenta ainda que as contas do estado “estão equilibradas e que os servidores estão recebendo os seus salários em dia”. 

Para os professores das estaduais, no entanto, é justamente por essa saúde no orçamento que o Estado deveria repassar integralmente os recursos das universidades.

Serviços prejudicados
Com o contingenciamento, o financiamento de pesquisas e atividades de extensão que prestam serviços à comunidade também acabam afetados, conforme explica a professora Ronalda Barreto, coordenadora geral da Associação de Docentes da Universidade Estadual da Bahia (Uneb). Sem a verba prevista, não é possível pagar as bolsas que garantem a permanência estudantil nas instituições públicas.

“Na Uneb, nós temos bastante ingresso de estudantes de camadas populares, que têm dificuldade de se manter na faculdade”, expõe ela. Esta realidade tem uma relação direta com os recursos, que ajudam os alunos a concluírem os estudos”, explica.

Se liberado agora em novembro, o dinheiro contingenciado será bem-vindo pelas universidades, mas é difícil usá-lo já no final do ano letivo, quando o exercício financeiro já está se fechando. A aplicação do recurso se torna mais difícil quando o repasse acontece dessa forma, alegam os docentes. 

 A coordenadora da Aduneb explica que a legislação impõe que as universidades licitem a aquisição de serviços e produtos e que isso demanda tempo. “O governo atrapalha a gestão das universidades quando atrasa o repasse das parcelas mensais”, reprova Ronalda.

Manchas de óleo chegam à Praia do Espelho, em Trancoso, e voltam a atingir Morro de São Paulo

Do G1 BA

As manchas de óleo que atingem o litoral do nordeste do Brasil chegaram à Praia do Espelho, um dos destinos turísticos mais procurados de Trancoso, em Porto Seguro, e também voltaram a atingir Morro de São Paulo, nesta segunda-feira (4).

Até agora, está em 28 o número de cidades baianas que registraram o aparecimento da substância — o dado foi atualizado após as manchas surgirem em Prado e Alcobaça. Na Praia do Espelho, as manchas apareceram no final de semana. Segundo informações da assessoria de comunicação da prefeitura de Porto Seguro, foram registrados pequenos fragmentos, que já foram retirados da praia.

Já em Morro de São Paulo, as manchas voltaram a aparecer na Terceira e na Quarta praias. Equipes da prefeitura local se mobilizaram para fazer a limpeza.

De acordo com a prefeitura, as outras praias de Cairu seguem sem apresentar novos registros do material. Desde a chegada da substância até domingo (3), a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável fez a retirada de 50 toneladas da região.

O monitoramento continua em todas as praias do Arquipélago, com mais de 50 servidores municipais, atuando 24 horas por dia, informou por meio de nota a prefeitura de Cairu. Equipes técnicas do INEMA, IBAMA, Marinha do Brasil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil também acompanham o trabalho, com apoio essencial dos grupos grupos de voluntários.

Turista com manchas na pele após banho de mar em Ilhéus piora e é internado

Do Correio 24h

O turista mineiro Anderson Gabriel Palmela, 38 anos, que apresentou suspeita de intoxicação por petróleo cru em Ilhéus, no litoral sul da Bahia, teve uma piora em seu estado de saúde e precisou ser internado nesta segunda-feira (4), no Hospital do Cacau. Ele passou a apresentar novos sintomas desde domingo (3), quando percebeu sangue nas fezes.

A informação é da Secretaria de Saúde de Ilhéus, que informou que Anderson Gabriel passou mal durante um exame de cardiologia. Ele se queixou de sintomas de intoxicação por óleo, como náuseas, tontura e dor de cabeça.
Pouco antes do exame, Palmela relatou ao CORREIO que já tinha tido uma piora no final de semana, com a constatação de sangue nas fezes, enquanto ele descansava na casa de um tio em Ilhéus. A cidade do litoral sul da Bahia é uma das atingidas por manchas de petróleo cru.

“No momento em que eu me banhava no mar, não vi manchas de petróleo. Depois que voltamos lá, ainda no sábado, encontramos fragmentos”, disse o mineiro, que relatou ardência nas costas e manchas na pele.

O turista relatou ainda que, diferente das possibilidades levantadas, suas queimaduras não têm relação com animais como águas-vivas. “Hoje, a médica que me atendeu, uma dermatologista chamada Jeane, da rede municipal de saúde, disse que as manchas não eram de intoxicação por caravelas ou água-viva, e me passou outros exames para fazer durante essa semana”, completou.

Os exames aos quais Anderson Gabriel já foi submetido são das áreas de neurologia, gastroenterologia e cardiologia. O diagnóstico ainda não foi concluído, mas a dermatologista tranquilizou o mineiro. “Ela não deu diagnóstico sobre o que era, mas disse que as manchas na pele iriam sair. Não sabemos se as fezes no sangue têm relação com a intoxicação”, declarou.

O turista mineiro, que trabalha como empresário, mora em Teófilo Otoni, no interior de Minas Gerais, e foi a Ilhéus para visitar um tio na semana passada. Segundo ele, o banho de mar que causou as manchas aconteceu na praia de Jardim Atlântico, próximo da famosa Praia dos Milionários.

“No momento que me banhava não tinha mais ninguém no mar, apenas uns caras pescando, mas eles estavam em cima das pedras. Eu saí da praia com as costas sujas de óleo, mas olhei ao redor e não vi manchas ou fragmentos, só depois quando retornamos, junto com funcionários da Prefeitura”, afirmou.

O médico Luís Roberto Andrade Petrez, coordenador do Pronto Atendimento da Zona Sul e quem deu o primeiro socorro ao turista mineiro, informou que não houve mais ninguém se queixando de problemas semelhantes na região.

“Estamos investigando essa situação melhor, para termos um diagnóstico correto. Precisamos ver se as funções renal e hepática estão funcionando bem, mas inicialmente parece ser um caso isolado”, disse o médico.

O secretário Municipal de Saúde de Ilhéus, Geraldo Magela, informou que, na cidade, foram registrados dois casos de intoxicação leve por petróleo cru na semana passada, sendo um de uma voluntária e outro de um surfista, mas ambos foram atendidos e passam bem.

“Nesses dois casos, as pessoas apresentaram muita náusea, com fortes dores de cabeça e tonturas, mas não foi o mesmo sintoma do turista mineiro. Por serem sintomas diferentes, é preciso fazer mais exames e ver o que é”, comentou.

O CORREIO tentou contato com a médica de prenome Jeane, sem sucesso.

Já a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) informou que está acompanhando o caso e aguarda o envio de relatório sobre o mesmo. Divulgou também que enviou aos municípios comunicado com orientações sobre a toxidade do petróleo cru.

Prefeitura emite nota oficial sobre descarte do óleo coletado nas praias de Maraú

 

Diante da denúncia de descarte irregular de produto tóxico, a Prefeitura Municipal de Maraú, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, informa que durante uma reunião com o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA), que ocorreu na cidade de Itabuna, ficou acertado que todo o material retirado do mar seria colocado em um local apropriado no município de Maraú, essa foi à orientação do Instituto.

O governo da Bahia será responsável em remover todo o produto do município para descarte em local apropriado. Isso deve acontecer após licitação para escolha da empresa.

A prefeitura informa que o material está sendo colocado em um galpão coberto, no município, como foi orientado pelo INEMA. Acontece que, algumas pessoas que estavam transportando o referido material acabaram descartando o produto no lixão, o que gerou preocupação e até denúncia por parte da população. Assim que tomou conhecimento do fato, a prefeitura entrou com as devidas providências.

Neste momento as máquinas da prefeitura estão removendo o óleo e colocando no galpão, como foi orientado pelo INEMA. Enquanto a verba que foi dita no vídeo que a prefeitura teria recebido, é mentira. Pois, nem o governo Federal ou Estadual ainda não destinou verba financeira nenhuma para tal finalidade.

A prefeitura conta com uma equipe de aproximadamente 40 pessoas, espalhadas em grupos monitorando e limpando as praias da Península de Maraú com o apoio de populares, além do apoio do Corpo de Bombeiros, Marinha, Defesa Civil e AMURC.





WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia