A mudança de grade e ampliação da cobertura jornalística, devido à pandemia do coronavírus, está levando o ibope da TV Globo (ainda mais) às alturas. Dados exclusivos de audiência obtidos por esta coluna mostram que a emissora está crescendo em todas as faixas horárias e abrindo ainda mais vantagem sobre as concorrentes.

Das 7h à 0h —o chamado horário comercial, mensurado pela Kantar Ibope Media em São Paulo (principal mercado publicitário)—, nesta semana a Globo cresceu quatro pontos entre segunda e quarta-feira, na comparação com o mesmo período antes da pandemia. Comparativamente, nessa faixa horária a Record manteve o mesmo ibope, e o SBT perdeu um ponto. Em SP cada ponto mensurado vale por 74,5 mil domicílios sintonizados.

Em 2020, entre 7h e 0h, a média da Globo até antes da pandemia era de 16 pontos e o share era de 36% (ou 3,6 em cada 10 TVs ligadas na região). Com a cobertura do coronavírus os índices passaram para 20 pontos e 39%, respectivamente. Aos números, telejornal por telejornal O “Bom Dia SP” cresceu 2 pontos, com médias acima de 11 pontos. Isso não ocorria há 12 anos (última vez foi em 2008). Com 12 pontos e 35% de share, o “Bom Dia Brasil” também disparou: 4 pontos.

Trata-se de um crescimento de 50% (uma audiência que não ocorria havia três anos). Nessa mesma faixa a Record caiu e o SBT e seu “Primeiro Impacto” ficaram na mesma. Com César Tralli, o “SPTV1” é outro telejornal que viu sua audiência abrir ainda mais vantagem sobre a concorrência: 16 pontos e 36% de share. Cresceu 33% em pontos (+4), algo inédito nos últimos dois anos. Com 17 pontos de média e 34% de share, o “Jornal Hoje”, com Maju Coutinho, registrou esta semana um crescimento de 16%, enquanto a Record ficou na mesma. Já o SBT ganhou 1 ponto nessa faixa. Foi mais ou menos o mesmo crescimento do “SPTV 2ª Edição” (15%): o telejornal global do início da noite se alavancou para 30 pontos e 44% de share com a cobertura da pandemia de coronavírus.

A Record cresceu um ponto e o SBT perdeu outro. Por fim, o “Jornal Nacional” —odiado por Bolsonaro e boa parte de seus seguidores— teve sua maior audiência dos últimos nove anos: 37 pontos de média e 51% de share. Em outras palavras: 1 em cada 2 TVs em São Paulo estavam ligadas no principal telejornal da Globo nas últimas segunda, terça e quarta.

Lembrando que, mesmo sem pandemia, sempre foi líder isolada e sua audiência é maior que a soma de todas as outras concorrentes abertas. Os dados acima podem não provar, mas indicam que o telespectador brasileiro prestigia e confia na emissora como fonte de informações. Especialmente em momentos trágicos como o atual. (Uol)